Bem vindo! Username: Password: Registe-se! | Recuperar password

» Home » Registar » Votar » Quem são os Senadores » História do Correio da Manhã


Datas importantes do Correio da Manhã


19-3-1979. É publicado o primeiro número de Correio da Manhã, jornal de cariz popular, cujo estilo, concebido pelo jornalista Vítor Direito, constitui uma novidade na imprensa portuguesa. Original e dinâmico, o novo diário privilegia os temas do quotidiano em notícias tratadas com objectividade. A linguagem é acessível, e os assuntos de política, muito destacados nos outros jornais, são confinados à sua dimensão própria. Sintética, incisiva e irreverente, a prosa do director, Vítor Direito, publicada diariamente no ‘Bilhete Postal’, torna-se na imagem de marca do CM. O facto de ser publicado também ao domingo, o que os outros jornais não faziam, contribuíu para a implantação do novo título. O CM arranca com um capital de 1350 contos (6750 euros), parte do qual participado por empresários do Norte do País. A Redacção, cuja actividade é norteada por princípios de independência em relação ao Estado, partidos, interesses económicos e lóbis, está instalada numa cave perto do Príncipe Real, em Lisboa.

27-5-1980. É inaugurada em Faro a primeira delegação do CM, cuja Redacção proporciona uma mais pronta e ampla cobertura noticiosa da região. A iniciativa, prosseguida nos anos posteriores com a abertura de delegações noutras cidades, permitiu ao jornal preparar as condições para ser o mais lido no Centro e Sul do País.

22-11-1981. A edição de domingo do jornal inclui, desde esta data, uma revista de carácter generalista com 32 páginas a cores. Inédita na imprensa portuguesa, a iniciativa, que se afirmará com o título de Correio de Domingo, faz do CM um jornal muito falado e procurado, num tempo caracterizado por acentuada crise económica e descrença entre os cidadãos.

1986. Sete anos depois da fundação, em que viveu períodos muito difíceis, designadamente no domínio financeiro, o CM é finalmente um título viável, solidamente implantado, com uma circulação diária superior a 60 mil exemplares.

Outubro 1988. O aumento do número de elementos que compõem a Redação e os serviços comerciais e administrativos exige a mudança para novo edifício na Avenida Mouzinho da Silveira, em Lisboa, onde o CM ocupa quatro pisos.

5-7-1991. Uma revista semanal, dedicada inteiramente à televisão, passa a ser incluída na edição das sextas-feiras do CM. São 32 páginas, integralmente a cores, de informação, reportagem, entrevista e programação. A Correio TV constitui uma novidade na imprensa portuguesa, que será copiada, anos depois, por outros jornais.

16-11-1991. Agostinho Azevedo, até então chefe de Redacção, é nomeado director, passando Vítor Direito a ocupar o cargo de Presidente Director-Geral.

18-10-1992. A capa do CM é impressa a cores a partir desta data, o que o faz sobressair entre os jornais diários. A cor vinha sendo usada com êxito, desde há meses, no corpo do jornal, designadamente no suplemento ‘Correio da Manhã Desporto’. Iniciado em quatro páginas diárias, o processo de impressão a cores ampliou-se nos anos seguintes a um número crescente de páginas.

3-2-1993. Começa a ser publicada a revista Casa, gratuitamente com o jornal. O público feminino é o alvo preferencial dos temas de moda, saúde, receitas e família que constituem o núcleo de cada edição. Todas as quartas-feiras, 24 páginas integralmente a cores. O CM é, assim, o único jornal português a oferecer três revistas semanais aos seus leitores.

Dezembro 1997. O crescimento do jornal determina a mudança para novas instalações, que ocupam a totalidade de oito pisos de um prédio na Avenida João Crisóstomo, em Lisboa.

19-3-1998. O CM assegura desde esta data noticiário na net através do portal Netc. É a primeira fase de uma política que incentiva a proximidade com o leitor, proporcionando-lhe informação em constante actualização.

15-11-2000. A empresa proprietária do título Correio da Manhã, Presslivre, é comprada pela holding Cofina, integrando-se assim num dos principais grupos portugueses de imprensa, que dispõe de vários títulos e meios de distribuição e explora o mercado publicitário.

2-7-2002. O Correio da Manhã passa a estar on-line de forma autónoma no endereço www.correiomanha.pt. Cada edição do jornal é inserida, agora, na net, o que representa um significativo passo para o desenvolvimento da ligação com os seus leitores.

14-12-2002. João Marcelino, até então director do jornal desportivo Record, da Cofina, é nomeado director do CM.

12-6-2004. Renovada nesta data, a secção Correio do Leitor dá voz às queixas, opiniões e notícias dos leitores, através da prática de um jornalismo de proximidade e interactividade. Diariamente, o jornal presta o serviço de mediação entre as entidas competentes e o público, para tentar solucionar os mais diversos assuntos locais, que aparentemente ninguém resolve.

Dezembro 2004. Renovação gráfica do site do CM, proporcionando mais fácil consulta aos interessados.

24-2-2007. Octávio Ribeiro, até então director-adjunto do CM, é nomeado director.

25-5-2007. Um novo suplemento de 16 páginas, Primeiro Emprego, enriquece as edições de sexta-feira, divulgando as ofertas de colocação disponíveis nos centros de emprego. Através de reportagens e entrevistas, os leitores ficam a par de úteis sugestões feitas por quem singrou na carreira profissional.

12-1-2008. Reformulada integralmente, a revista Vidas volta a ser publicada aos sábados. São, actualmente, 76 páginas dedicadas aos famosos de Portugal e do Mundo – o que vestem, os lugares onde vão, os encontros que têm. Cada número inclui, também, o espaço Êxito, sobre música, cinema, teatro e diversão. Para o sucesso da edição de sábado do CM contribui ainda o caderno Sport, que trata, desde Setembro de 2006, grandes casos do futebol e de outras modalidades.

19-3-2008. O site do CM sofre uma remodelação profunda, complementando o serviço prestado pela edição impressa. O contacto com o leitor é agora mais vivo, designadamente através da disponibilização constante de fotos e vídeo. A interactividade atinge um novo nível: os leitores podem comentar os temas que lhes suscitam interesse e enviar fotos, susceptíveis de serem publicadas quer no site quer no jornal. Uma poderosa ferramenta acelera a rapidez e aumenta a quantidade de informação no site, permitindo a cada jornalista a colocação automática de notícias.

Julho 2008. Novo máximo mensal atingido pelo site do CM em número de visitantes: 22.500.000 page views.

Outubro 2008. Os números divulgados no relatório da Associação Portuguesa de Controlo de Tiragem atestam que as vendas diárias do CM de Janeiro a Outubro de 2008 se elevaram a 123.487 exemplares. Este quantitativo representa um aumento de 2.780 em relação a igual período do ano anterior e deixa prever a mais alta média diária alcançada pelo jornal desde sempre. Confirma, ainda, o CM como o diário mais vendido em Portugal desde 2003, sem interrupção. Por outro lado, os índices de audiência média publicados pelo Bareme-Imprensa da Marktest mostram que no último trimestre de 2008 o jornal progrediu de forma mais vincada na conquista das camadas sociais com maior rendimento comparativamente aos dados globais de 2007 (aumento de 46,8% na classe média, 26,5% na classe alta e 21% na média-alta), sem sofrer quebra na tendência de subida entre os extractos populares. O mesmo estudo revela ainda um acréscimo das audiências junto dos jovens, traduzido no substancial aumento de 54% dos leitores com idades entre os 25 e os 34 anos e de 39% entre os 18 e os 24.